Monthly Archives

novembro 2017

Saiba quais são os tipos de aparelhos ortodônticos

By | Dicas Dentista Crisal

Seja por questões estéticas ou de saúde, as pessoas dão cada vez mais valor aos cuidados com os dentes. Mas quando algum tratamento é necessário, nem sempre se sabe qual a melhor técnica. Diversos são os tipos de aparelhos ortodônticos, e a gama de opções pode causar confusão.

Para ajudá-lo a esclarecer algumas dúvidas, vamos apresentar neste artigo os modelos disponíveis no mercado, quais suas funções e benefícios.

Aparelhos ortodônticos fixos

São aqueles mais comuns, com braquetes colados nos dentes e um fio metálico passando por todas as peças. Indicado para pacientes que necessitam maior movimentação dentária, ele aplica uma força leve na arcada, mexendo-a para atingir o alinhamento correto.

Por corrigir o posicionamento dos dentes, esse aparelho vai deixar o sorriso mais bonito, prevenir problemas oclusais (de mordida) e evitar o desgaste anormal da dentição. Além do modelo tradicional (com braquetes metálicos) existem os fixos estéticos, que podem ser de safira ou de porcelana.

Fixos estéticos

Tem a mesma função do fixo metálico, a diferença é que é feito com materiais transparentes, favorecendo a estética durante o tratamento ortodôntico. Seja de porcelana convencional ou de safira, ambos são transparentes. Mas este último é a opção mais discreta.

Aparelho invisível

Também conhecido como Invisalign ou alinhador, está na lista dos aparelhos estéticos. No entanto, ao contrário dos anteriores, esse modelo é móvel. É recomendado para tratamentos estéticos – como o alinhamento dos dentes – ou para pessoas com alguma alergia ao metal presente em outros aparelhos.

O tratamento é feito com o suporte de um software, que determina um plano personalizado para cada paciente. Durante o processo, são feitos vários moldes transparentes que alinham a arcada dentária. Por ser removível, ele facilita a higiene e é mais confortável que os aparelhos fixos.

Aparelho lingual

Esta é mais uma opção no time dos invisíveis, visto que os braquetes são colados atrás dos dentes. Tem a mesma função do aparelho fixo tradicional, sendo ideal para tratamentos de curta duração ou para praticantes de esporte de contato. Mas a técnica também pode ser usada para corrigir problemas de oclusão.

A fase de adaptação a este aparelho pode ser mais incômoda, visto que ele está em contato direto com a língua machucando-a de vez em quando e interferindo na fala. Mas esses inconvenientes são passageiros, assim como os causados por outros modelos.

Já a limpeza é mais simples: como os braquetes são colados perto da gengiva, não há a necessidade de passar o fio dental por baixo do fio metálico que liga as peças.

Aparelho autoligável

Com ele, as famosas borrachas coloridas são dispensáveis, pois os braquetes já possuem uma estrutura para prender o fio metálico. É a alternativa ideal para quem tem problema de mordida. O atrito entre o fio e o braquete é menor e o aparelho trabalha mais livremente, obtendo resultados mais rápidos.

O conforto é outro benefício, visto que a força aplicada é menor. A ausência das borrachas também diminui o acúmulo de bactérias e a manutenção é feita em um período de oito a dez semanas, ou seja, o paciente vai menos ao dentista.

Aparelhos móveis

Como o nome sugere, eles podem ser retirados da boca a qualquer momento, portanto os resultados dependem 100% da colaboração do paciente. Podem ser utilizados para fazer pequenas movimentações dentárias ou para alterações ósseas (finalidade ortopédica).

No primeiro caso, ele tem as funções de reorganizar atividades como deglutição, mastigação, fala e respiração. Crianças entre 6 e 12 anos que apresentam problemas na mordida também podem usá-lo.

Mesmo sabendo dos tipos de aparelhos ortodônticos e como cada um funciona, para definir qual deles se adapta melhor a você é necessário consultar um dentista. Ele vai levar em consideração, entre outras coisas, informações como a arcada dentária, problemas de oclusão e alinhamento dos dentes.

Quer saber mais sobre esse e outros assuntos relacionados? Não perca tempo e assine nossa newsletter!

Sensibilidade nos dentes: o que eu preciso saber?

By | Dicas Dentista Crisal

Imagine que você está na praia aproveitando o sol e decide tomar um sorvete para refrescar um pouco o calor.

Você paga o vendedor, senta em sua cadeira novamente e, quando dá a primeira mordida, sente uma dor insuportável nos dentes. Agora, pense na mesma experiência com alimentos quentes, muito doces ou muito ácidos.

Você se reconheceu nessa situação? Então, é bem provável que você tenha sensibilidade nos dentes.

Para contornar esse problema, acompanhe o post de hoje. Você descobrirá tudo o que precisa saber sobre as causas da sensibilidade e, principalmente, as formas de prevenção e tratamento.

Vamos lá?

Causas

A sensibilidade ocorre quando há desgaste do esmalte, o que deixa os dentes mais expostos aos agentes externos. Isso pode acontecer por conta de 5 principais fatores:

  • escovação muito forte;
  • ingestão frequente de bebidas e alimentos muito ácidos;
  • retração da gengiva, que deixa o dente e a sua raiz mais expostos;
  • bulimia ou doença do refluxo gastroesofágico;
  • bruxismo — o hábito de ranger, comprimir ou apertar os dentes, principalmente durante o sono.

Sintomas

Se você, ao inspirar ar frio pela boca, ingerir alimentos quentes ou gelados ou muito doces ou muito ácidos, sentir os seus dentes sensíveis ou doloridos, existem grandes chances de você sofrer de hipersensibilidade dentinária.

Essa não é uma doença que surge de maneira imediata, mas, sim, que se desenvolve ao longo dos anos. Por isso, é muito importante estar sempre atento aos sintomas para poder evitá-la ou tratá-la tão logo seja possível.

Tratamento

Antes de iniciar qualquer forma de tratamento para a sensibilidade nos dentes, é muito importante que você consulte o seu dentista.

Esse profissional poderá realizar uma análise mais específica da sua situação e, assim, oferecer o tratamento adequado. Mas uma coisa que você já pode realizar de antemão, assim que notar alguns dos sintomas, é reduzir o consumo de alimentos e bebidas muito ácidos, como: refrigerantes, café, vinagre e energéticos, por exemplo.

Alguns dos principais cuidados odontológicos para tratar a sensibilidade nos dentes são os seguintes:

  • aplicação de verniz de flúor para fortalecer os dentes;
  • prescrição de um creme dental de menor abrasividade;
  • indicação de escovas com cerdas mais macias e pontas arredondadas para evitar a erosão dos dentes;
  • tratamento imediato das causas da sensibilidade, caso seja causada por doença.

Prevenção

Por fim, não se esqueça de que a principal forma de tratamento é a prevenção. Sendo assim, escolha bem o creme dental que você utilizará diariamente. Opte por um produto menos abrasivo, ou seja, que cause menos dano ao esmalte dental.

Para saber se um creme dental é muito abrasivo ou não, coloque um pouco entre os dedos e verifique a consistência. Se você sentir como se estivesse tocando pequenos grãos de areia, interrompa imediatamente o uso do produto.

Outro ponto importante é continuar realizando visitas periódicas ao seu de dentista. Afinal, ele é a melhor pessoa para identificar e cuidar de qualquer disfunção que venha a ocorrer na sua saúde bucal.

Gostou das dicas? Conseguiu aprender mais sobre a sensibilidade nos dentes? Então, entenda agora a importância de ir ao dentista com frequência!

Você sabe o que é tratamento ortodôntico?

By | Dicas Dentista Crisal

Você precisa fazer algum tipo de tratamento ortodôntico, mas ainda possui muitas dúvidas sobre o assunto e, por isso, sente alguma insegurança. Por exemplo, saber a diferença entre o ortodontista e o dentista (muita gente pensa que é a mesma coisa) é um ponto importante e que precisa ser esclarecido.

Para ajudar você da melhor maneira, fizemos este post respondendo diversas dúvidas que você possa ter quanto ao assunto. Fique com a gente e saiba mais sobre a ortodontia e como ela funciona!

O que é tratamento ortodôntico?

Primeiramente, precisamos esclarecer que a ortodontia é uma especialidade dentro da odontologia. É como um médico que, depois de fazer residência ou especialização, se torna um psiquiatra, por exemplo. O tratamento ortodôntico tem como objetivo principal corrigir a posição dos dentes e também do osso maxilar que estiverem posicionados de forma errada.

Fazer esse tratamento é muito importante porque dentes e osso maxilar desviados implicam diversos problemas:

  • São de difícil higienização;
  • Podem ser perdidos antes do tempo;
  • Causam deterioração e doença periodontal;
  • Aumentam o desgaste nos músculos da mastigação;
  • Dor de cabeça;
  • Disfunção temporomandibular (ATM);

Além de todos problemas, a aparência também fica prejudicada pela presença dos dentes tortos. Isso pode ocasionar disfunções psicológicas ou de comportamento como a timidez excessiva.

Como funciona?

Para que a correção aconteça, o mais provável é que o seu ortodontista indique o uso de algum tipo de aparelho, que pode ser fixo ou móvel. Por meio de uma leve pressão, os dentes e o maxilar são levados gradualmente para a posição correta, de forma quase imperceptível para o paciente.

Existem diversos tipos de aparelhos fixos e móveis, sendo assim, o que determinará qual deles você usará é a gravidade do seu problema.

Quais são as vantagens do tratamento ortodôntico?

A grande vantagem da ortodontia se dá, principalmente, quando ela acontece de forma preventiva, ou seja, quando os dentes ainda estão em formação. É possível evitar que eles causem problemas maiores no futuro realizando o tratamento adequado no momento certo. Isso pode livrar o paciente da necessidade de extrair dentes ou usar aparelhos no futuro.

Como saber se preciso de um ortodontista?

O próprio dentista informará a necessidade ou não de você fazer um tratamento ortodôntico. Depois de realizar exames clínicos, de imagem e outros, o profissional dará o diagnóstico e o prognóstico, também encaminhará para o profissional responsável por alguns cuidados mais específicos.

Qual é a diferença entre dentista e ortodontista?

Dentista é o mesmo que cirurgião-dentista, também conhecido como odontólogo. Ele faz o tratamento e a prevenção de diversos problemas bucais: disfunção da ATM, doenças dentárias ou sistêmicas, câncer e também atua na parte da estética.

O dentista pode se especializar em ortodontia e ampliar o seu leque de serviços. Assim, o ortodontista é um dentista que além de cuidar de todos esses problemas que citamos acima, também atua na correção dos dentes e na formação deles.

E então? Ainda tem alguma dúvida sobre o tratamento ortodôntico? Entre em contato conosco e agende a sua visita!